segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Chico Buarque no encerramento das atividades de 2014 da Casa de Leitura

O encerramento oficial das atividades da Casa de Leitura Lya Botelho aconteceu no domingo, dia 21 de dezembro, com um verdadeiro espetáculo de música proporcionado pelos artistas Mara Max e Antônio Jorge Gonçalves Magalhães.

Com um roteiro primoroso criado por Mara, que também cuidou da narração, sempre muito poética, a vida e a obra do compositor Chico Buarque de Hollanda foi o motivo para que quase uma centena de amigos e amantes da boa música se fizessem presentes ao último evento do ano da programação do SABER COM SABOR, desta feita, na Casa de Leitura

A seleção musical, dentro da vasta obra do Chico, foi a mais cuidadosa possível, buscando mostrar o homem, o artista, o cidadão em pleno exercício da reflexão política, o compositor censurado pelos ditames da ditadura, o amante, o compositor de música para teatro e cinema, o escritor.



FRANCISCO: RAÍZES & BRASIL, título do espetáculo, também encerra as comemorações dos 70 anos do famoso compositor e que foi tema de uma série de eventos culturais organizados pelo Conservatório Estadual de Música Lia Salgado, de Leopoldina.

Antônio Jorge Gonçalves Magalhães, autor dos arranjos, emprestou seu grande talento para, com voz de afinação impecável e um violão executado com virtuosismo, dar vida às letras de versos contundentes em sua poesia e humanidade escritos, durante décadas, por Chico Buarque.

Mara Max, por sua vez, trouxe a sonora delicadeza da flauta para o diálogo musical com seu parceiro no palco e iluminou a noite com sua fluída e segura narrativa do percurso do homem e do artista Chico Buarque, contextualizando-o dentro da Música Popular Brasileira e como um cidadão consciente do seu tempo e das suas possibilidades de contribuição, como artista, para uma maior reflexão da condição do brasileiro.

Foi uma noite memorável onde o público atendeu a solicitação dos artistas e contribuiu generosamente para com o Natal dos moradores do Asilo Santo Antonio, de Leopoldina.


A Casa de Leitura Lya Botelho agradece a todos os que puderam se fazer presentes e, em especial, aos artistas pelo excelente, impecável e memorável espetáculo apresentado.
Agradecemos, também, à nossa patrocinadora, ENERGISA, por viabilizar mais este evento que tanto contribuiu para com o sempre crescente nível dos eventos culturais à disposição do público leopoldinense.
À FOJB-Fundação Ormeo Junqueira Botelho, o nosso muito obrigado por nos apoiar em todos os aspectos na nossa missão de colaborar com a Cultura e a Educação leopoldinenses, sempre valorizando sua história e seus cidadãos.

domingo, 14 de dezembro de 2014

Arte e Talento leopoldinenses no CONCERTO DE NATAL da Banda Princesa Leopoldina na Casa de Leitura Lya Botelho

Valorizar os talentos artísticos dos leopoldinenses é, e sempre foi, um dos objetivos da Casa de Leitura Lya Botelho desde a sua fundação.

Durante o ano de 2014 tivemos o prazer de poder contribuir para que artistas locais apresentassem seus trabalhos para um público sempre muito atento e participativo. Foram diversos os shows e diversos os estilos e repertórios de seus músicos, buscando agradar à muitos com uma programação eclética.

Agora, próximo ao fim do ano, o CONCERTO DE NATAL que a BPL-Banda Princesa Leopoldina apresenta há 2 anos consecutivos no jardim da Casa de Leitura Lya Botelho, trouxe (apesar da chuva de verão) um grande público cujas presenças valorizam e prestigiam aos músicos, aos artistas convidados, mas também à presença da Casa de Leitura dentro da comunidade.

Em nome da FOJB-FUNDAÇÃO ORMEO JUNQUEIRA BOTELHO, a Coordenação da Casa de Leitura Lya Botelho aproveita para agradecer a todos que contribuíram em 2014 com suas presenças em nossos eventos, com sua arte e talento na realização de shows, com seus comentários e sugestões para que pudéssemos servir, de maneira ampla e irrestrita, à toda a nossa população.

Agradecemos, também, a ENERGISA, nossa patrocinadora e de tantos outros projetos, como a própria Banda Princesa Leopoldina, que visam o melhor acesso à Educação, Cultura e conscientização ecológica.

Deixamos aqui registrados 4 momentos de grande significação do CONCERTO DE NATAL 2014 acontecido em 13 de dezembro. São 3 excelentes artistas e uma banda musical, todos da nossa cidade, a oferecerem o melhor de seus talentos, de sua técnica, de sua arte. Cada um em seu estilo particular colaborou para que o evento deste ano fosse mais belo e emocionante e o público retribuiu em intermináveis aplausos e exclamações.

A todos o nosso muito obrigado e os nossos votos de um Feliz Natal!



Lidiane Machado e a Banda Princesa Leopoldina



Rodrigo de Sá Schettino e a Banda Princesa Leopoldina



Janaína Souza e a Banda Princesa Leopoldina



Banda Princesa Leopoldina interpreta "We are the World"



sábado, 13 de dezembro de 2014

Concerto de Natal na Casa de Leitura Lya Botelho / 2014


A Banda Princesa Leopoldina há 2 anos vem brindando, no mês de dezembro, o público leopoldinense com uma bela apresentação de temas natalinos executados por seu corpo de músicos e artistas especialmente convidados par a ocasião, contribuindo assim para que as festas de fim de ano fiquem mais alegres, coloridas e musicais.


Neste Natal de 2014 não foi diferente e, uma vez mais, o público presente ao evento desta noite pode desfrutar do talento desses jovens leopoldinenses e, como um presente extra, poder assistir à apresentação de cantores locais bastante conhecidos e carismáticos como JANAÍNA SOUZA, LIDIANE MACHADO e RODRIGO DE SÁ SCHETTINO.


Em clima de muita confraternização os músicos executaram peças clássicas natalinas e outras mais atuais, sempre sob a regência do maestro PAULO ROBERTO e reforçando a mensagem de Paz e Amor que essa festa cristã celebra.

Agradecemos o patrocínio da ENERGISA e o apoio da FOJB-Fundação Ormeo Junqueira Botelho que nos permite ter acesso e poder compartilhar momentos tão significativos como este.


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Academia Leopoldinense de Letras e Artes homenageia em seu site um dos seus Patronos

LEOPOLDINA E LUIZ RAPHAEL:  UM CASO DE AMOR

Texto de Alexandre Moreira sobre os quadros em exposição na Casa de Leitura Lya Maria Müller Botelho - Rua José Peres, 4 - Centro - Leopoldina, MG. Aberta ao público de 4 de novembro a 20 de dezembro de 2014, a mostra é patrocinada pela ENERGISA e tem Apoio Institucional da FOJB-Fundação Ormeo Junqueira Botelho.

Luiz Raphael Domingues Rosa é patrono da Cadeira número 14 da Academia Leopoldinense de Letras e Artes.




https://www.scribd.com/doc/249244154/Leopoldina-e-Luiz-Raphael-um-caso-de-amor

Com os sinceros agradecimentos da Casa de Leitura Lya Botelho à ALLA-Academia Leopoldinense de Letras e Artes e à professora e pesquisadora Nilza Cantoni pela divulgação.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

A cidade e a Memória da Cidade


A memória é algo de fantástico e tão absolutamente preciosa a cada indivíduo que a perda da mesma (a senilidade, o Alzheimer, os traumatismos, etc) acaba sendo vista como uma das maiores tragédias que o ser humano pode ter que, um dia, enfrentar. Mas esses males não afligem apenas homens e mulheres, individualmente. A coletividade também pode ir perdendo o contato com o seu passado, com as suas raízes,

As cidades também possuem uma memória, registrada nas suas construções, nos seus parques e praças, na distribuição das ruas e bairros, nos nomes dados aos logradouros, na quantidade e guarda dos seus arquivos públicos e privados, nos museus, galerias e centros de informações turísticas que possuem, nas homenagens que prestam aos seus cidadãos e servidores, e tudo o mais que possa ser um registro significativo do passado e presente preservados para o futuro.

REMEMORIA 80 é o nome escolhido pelo leopoldinense Elias Abrahim Neto para denominar a exposição do seu acervo fotográfico e de documentos diversos ora apresentados na Casa de Leitura Lya Botelho, em Leopoldina-MG.

Rememorar é relembrar, lembrar novamente, trazer à tona imagens e sons do passado muito bem arquivados na memória e, numa época pré-computadores pessoais, máquinas fotográficas digitais, impressoras automáticas à laser, redes sociais, Google e internet, Elias Abrahim Neto assumiu para si, e com os recursos disponíveis então, a nobre função de registrar e arquivar a história da sua cidade.

Se hoje a Casa de Leitura Lya Botelho pode exibir ao público uma pequena fatia da história local (os anos 80 do século XX) é porque houve alguém que naquela época pensou em registrar a cidade e seus habitantes e dar a esse material os necessários cuidados de guarda e conservação.

O visitante ao adentrar a sala de exposição faz um mergulho na história de Leopoldina pois ali estão expostos os feitos e presenças de  homens e mulheres que contribuíram para que pudéssemos desfrutar do Presente. Vê-se, através das fotografias expostas, uma cidade em constante evolução, tanto em sua forma urbana como nos agentes que fizeram parte da sua política, educação, cultura, esportes, lazer. Percebe-se, claramente, que o Presente, o momento atual, é resultado direto de diversas ocorrências, fatos, casualidades de âmbito nacional e internacional, mas que é, sobretudo, um reflexo direto do seu Passado. E, naturalmente, o que chamamos de Futuro haverá de ser a consequência dos nossos atos presentes. Conhecermos ou nos recordarmos do passado é manter viva a História pessoal e local, um importante fator para que possamos refletir sobre as ações Presentes e qual o impacto que as mesmas terão no Futuro.

O visitante à exposição REMEMORIA 80 não está fazendo um mergulho no túnel do tempo, mas adquirindo conhecimentos e recursos para poder melhor analisar o momento atual, o quanto houve de progresso real no sentido da construção de uma cidade mais humanizada, mais amigável, mais consciente dos seus próprios recursos, que se orgulha das suas raízes mas sem deixar de abrir-se para novas e úteis oportunidades.

A exposição REMEMORIA 80 fica aberta ao publico até o dia 20 de dezembro, de segunda à sexta das 8:00 às 11:30h e das 13:00 às 17:00h. Aos sábados, das 8:00 às 11:30h.

Todas as fotos exibidas nesta postagem fazem parte do acervo fotográfico de Elias Abrahim Neto.

Esta exposição tem o patrocínio master da ENERGISA e o apoio institucional da FOJB-Fundação Ormeo Junqueira Botelho. Agradecemos o Apoio Cultural da Prefeitura Municipal de Leopoldina, da Secretaria de Educação e da Secretaria de Cultura, Esportes, Lazer e Turismo do município.


domingo, 30 de novembro de 2014

Almanack do Arrebol: um almanaque cultural leopoldinense


Conheci o Almanack do Arrebol em 2013, durante a realização da exposição "Do Feijão Cru ao Girassol Maravilhoso: tempo e memória leopoldinense", por intermédio de Luciano Baía Meneghite, sobrinho do seu criador.

Percebi, desde o primeiro momento, estar à frente de um produto cultural da maior qualidade e que, surpreendentemente, era inteiramente pensado e realizado em Leopoldina, por gente desta cidade. Digo que fiquei surpreso pois não é comum ainda hoje em cidades do interior do Brasil, com um número de habitantes que se conta às dezenas dos milhares, surgir esse tipo de veículo impresso e com o nível de qualidade de material informativo que o Almanack do Arrebol divulgava, ainda na década de 80 do século XX.

Recebi, então, a visita do leopoldinense Elias Abrahim Neto, seu idealizador, editor, diagramador, colaborador e distribuidor. Trazia consigo todos os 9 volumes editados, num período que se estendeu por 3 anos. Pude então observar, após a leitura dos mesmos, que apesar de terem se passado aproximadamente 34 anos desde que o seu número Zero circulou, nada em seu conteúdo havia perdido o significado ou importância e que continuava a ser perfeitamente atual em sua proposta e artigos publicados.

Vi, naquelas 9 pequenas revistas, um verdadeiro arquivo fotográfico e documental de enorme importância para todo aquele que pesquisa e se interessa pela história de Leopoldina e sua gente. O conteúdo, que basicamente trata do patrimônio da cidade, em nada perdeu a atualidade dos seus temas. Memorialistas, escritores, artistas, fotógrafos, todos locais, produziram matérias que ainda hoje, passadas mais de 3 décadas, ressaltam a importância da educação patrimonial, da conservação e valorização da cultura local, dos seus prédios e monumento, dos seu recursos naturais e do conhecimento da história local.

Ocupando o cargo de Coordenador da Casa de Leitura Lya Botelho, e sempre na pesquisa de temas que possam ser transformados em exposições abertas ao público em geral, não demorei em fazer o convite ao Elias Abrahim Neto para uma mostra do seu acervo fotográfico referente à década de 1980, enriquecendo e complementando uma mostra sobre o Almanack do Arrebol.
Convite feito e aceito, a exposição REMEMORIA 80: LEOPOLDINA NOS ANOS 1980 DO SÉCULO XX, abriu suas portas para o publico no dia 4 de novembro e deve continuar até o dia 20 de dezembro.

Como o público alvo da Casa de Leitura Lya Botelho é o dos estudantes, posso afirmar que as escolas públicas e particulares da cidade trouxeram, somente no primeiro mês de funcionamento da exposição, mais de 2.500 dos seus alunos. Isso é um verdadeiro termômetro do quanto tudo o que se refere à educação patrimonial encontra ressonância na escola. Graças ao apoio incondicional da Secretaria de Educação de Leopoldina, professores, alunos e, naturalmente, o público em geral visitam diariamente a exposição e dela saem ainda mais conscientes dos seus deveres, como cidadãos, na identificação, catalogação, preservação e divulgação do patrimônio cultural, material e imaterial, de Leopoldina.

Alexandre Moreira
Coordenador da Casa de Leitura Lya Botelho